A primeira cagada até às costas foi… abençoada

A primeira cagada até às costas foi… abençoada

Para quem me acompanha já algum tempo sabe que, no início, a Bebecas tinha muita dificuldade em evacuar e libertar gases. Nada que uma quantidade razoável de remédios não tivesse ajudado a resolver. As dificuldades ainda continuam, mas nada com antes. Mesmo nada a ver. As coisas entretanto já evoluiram que a Bebecas já faz cocó até… às costas.

No passado, quandou ouvia conversas de mães e pais a falares que determinado bebé tinha feito cocó até às costas eu sorria e pensava para mim: “Estes gajos são uns exagerados de primeira apanha. Como é possível o bebé conseguir fazer cocó até ás costas? Das duas uma [pensava eu]: ou ela comeu um boi e fez cocó em tamanha quantidade que ele foi subido, ou então fez um pino”. Só que não…

“Futuro papás, acreditem quando vos contaRem que OS bebés  fazem cocó até às costas. É que é mesmo até às costas!”

Na segunda-feira, na viagem de regresso a casa, fizemos uma paragem no Santuário de Fátima. A Bebecas estava com a chorar com fome, e antes de sairmos do carro, a M. resolveu dar de mamar. Nem passados dois minutos ouvimos um valente “brrrrrrrrrrrrrrrrrrr”. Ainda pensámos que pudesse ter sido alguém a escorregar lá fora, ou coisa que o valha, mas não… Tinha sido uma valente cagadela da Bebecas. E foi só aqui que passei a perceber cagadela até às costas. Futuro papás, acreditem quando vos contarem que os bebés  fazem cocó até às costas. É que é mesmo até às costas!

A Bebecas fez este serviço quando estávamos há uma hora no parque do Santuário de Fátima.

Cagadela

A primeira cagada até às costas da Bebecas. Local : parque de estacionamento do Santuário de Fátima

Esta cagada foi de tal forma abençoada que a Bebecas voltou a repetir a proeza ontem, terça-feira (25 de abril) . Também tem o seu significado. Uma vez que foi Dia da Liberdade, ela libertou todos os demónios que tem no intestino e que tanto a chateiam.

Nesta altura passámos a ter vários problemas. Tínhamos poucas toalhitas para remedear o serviço, pouco espaço para mudar a fralda, e não encontrei nenhum fraldário nas redondezas. Esta foi uma boa altura para ver se era assim tão fácil mudar uma fralda na parte de trás do carro como algumas seguidoras responderam a este post onde  digo que é necessária uma lista de faldários cool do país.

Não é! É completamente desconfortável. Faz-se, mas não é a mesma coisa. É desconfortável para a bebé e para a pessoa que está a mudar a fralda. Quando vi a M. a mudar a fralda fiquei suado só de ver, agora imaginem como ela não estava. Agora, só de reviver aquilo tudo ainda me caíram dois pingos de suor. Isto acrescentado ao facto de cada vez que havia carros a sair de um dos os lados onde o nosso estava estacionado, havia sempre olhares a ver o que se estava a passar. Definitivamente, os fraldários fazem muita falta.


ohomemdecaxemira

Follow:
Share:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *